Comparação e Surdez

Viviane Freitas

  • 26
  • Nov
  • 2012

Comparação e Surdez

  • 26
  • Nov
  • 2012

Comparar não nos faz ouvir ninguém… Mas apenas idealizar-nos, mediante aquilo que os nossos olhos vêem.


Não ouve conselhos, e, com certeza, aumenta a distância que permitiria a ajuda de alguém.

É impossível aprender e evoluir, quando não ouvimos e nem avaliamos.
É impossível encontrar o sucesso… sentindo.

Crer não tem nada a ver com o que se vê.
A crença envolve certeza. Já a comparação traz dúvida e tormento.

Porque será que é teimosa e insiste em manter as suas ideias?
Porque está mais apta a apoiar-se no que sente, do que no raciocínio.

A comparação não se trata de raciocinar, mas de usar a emoção. A emoção é a reação mais natural do Ser Humano, e, por isso, provoca tantos estragos neste mundo. Já o raciocínio, custa… mas é o que valoriza o ser humano e o motiva a ser independente das fraquezas que este mundo lhe apresenta.

Amiga leitora, avalie a sua situação pelas suas ações. Não julgue a sí mesma como “boazinha” ou justa, mas pese as suas atitudes.

Avalie como tem sido diante de outros – que estão acima de si – ou perante quem
você tanto aprecia. Veja como se comporta.

“Ouça o sábio e cresça em prudência; e o instruído adquira habilidade para entender provérbios e parábolas, as palavras e enigmas dos sábios.”
(Pv1:5,6)

O que entende por parábolas?

A sua história… Encaixa-se em uma parábola. Algo que deve ser descoberto, para, então ser ouvido e compreendido.