Confiança ou irresponsabilidade?

Viviane Freitas

  • 25
  • Nov
  • 2012

Confiança ou irresponsabilidade?

  • 25
  • Nov
  • 2012

Sempre temos afazeres e responsabilidade que consomem o nosso tempo e energias…


No nosso dia-a-dia, isto é normal. Porém, sempre queremos ter o domínio de tudo e, quando algo foge ao nosso controle, ficamos ansiosas, preocupadas, inseguras, etc.

Isto também parece normal , mas não é!

Se está no seu controle (força do braço), aí sim, terá muitas razões para se preocupar, mas se a sua fé, faz com que “substitua” este seu “controle”, para que Deus aja, as preocupações são dissipadas.

E porque motivo isto acontece?

Porque se a sua fé está em ação, de forma que a sua capacidade humana deixe de estar no comando, o próprio Deus age, como só Ele pode.

Pare para pensar: Quantas vezes você trabalhou, trabalhou, mostrou-se responsável, mas é como se não tivesse saído do lugar, não fluiu…

Sabe porquê? Porque não houve uma ação de confiança em meio à situação stressante e difícil e, assim sendo, os sentimentos afloraram.

A falta de confiança, ou seja, a irresponsabilidade com a própria fé – que diz ter – mesmo que se assuma como “super responsável”, na realidade torna-a nervosa, desiquilibrada com a saúde, desorientada com o tempo, negligente com o tempo para família, inquieta; com medo de não resolver algo…

As dúvidas predominam, não é verdade?

Agora, responda-me: Isto é confiança ou irresponsabilidade?

Quem confia é responsável, pois faz o que está ao seu alcance e tem certeza que Deus agirá, pois participa a Ele, sobre tudo.
Por outro lado, quem normalmente se esmera na – força do braço – para ser “responsável”, não confia.

Consegue perceber?

Um exemplo disto é Marta e Maria.

Marta preocupava-se em fazer o melhor. E não é o que pensa fazer hoje? O melhor? Mas Maria, aparentemente, não se preocupou em fazer, mas “fez” o melhor pois optou pelo “melhor”.

E o que é o melhor, hoje? Não fazer nada e não estar “nem aí” para as suas responsabilidades?

Claro que não!

O melhor é confiar, mesmo que, para isto, aparentemente, esteja a ser “irresponsável” aos seus próprios olhos, por achar que as ansiedades, preocupações e inquietações, são sinais de responsabilidade.

Deixe Deus ser participante e agir! Garanto-lhe que isto é muito mais inteligente do que você querer fazer sozinha!

Quem confia, consegue fazer o melhor… Agora, quem desconfia, não o consegue, e, quando tenta, resulta em estragos para a sua saúde física, mental e emocional.

Esta é a “responsabilidade” que quer ter?

Decidir confiar na ação eficaz do “controle” de Deus, isto sim é ser responsável!