Obreira: Obreira sem disposição!

Luisa Teixeira

  • 2
  • Out
  • 2014

Obreira : Obreira sem disposição!

  • 2
  • Out
  • 2014

Em conversa com uma amiga, ela falava-me sobre uma situação que tem acontecido muito no meio dos que se afirmam servos de Deus, e que sorrateiramente tem invadido a mente de muitos.



E diga-se de passagem que ninguém está imune a que essa situação surja em sua vida, incluindo eu, que sempre vos escrevo, pois se não vigiar, e se me deixar levar pela minha própria vontade, certamente o mesmo me sucederá também. Pois lembre-se que não é pelo facto de vestirmos um uniforme, ou de termos uma posição dentro da Obra de Deus, que estamos descartadas de que algo semelhante nos aconteça.

Mas afinal do que falo?
Bom, o que venho alertar no artigo de hoje, é algo, sem dúvida, muito sério. Trata-se da falta de disposição!

O que se tem verificado é que em muitas não existe essa disposição para servir, em toda e qualquer circunstância. E porquê?

Pois diante de um imprevisto, não abrem mão da sua ansiedade! Vou explicar melhor. Existem algumas obreiras que têm tempo para tudo, têm força para trabalhar, para estudar, para lutar pela sua vida pessoal, e quando surge o inusitado em suas vidas, têm coragem para permanecer nessa luta por si mesmas, o que não está errado, mas no tocante à Obra de Deus, não têm disposição, não se dispõem a vestir a camisa para guerrearem pelo povo.

Mas afinal qual é o seu chamado dentro da Obra de Deus, se tudo para si, está em primeiro lugar? A família, o marido, o namorado, o trabalho, os estudos, a vida financeira, estão sempre à frente do seu chamado?

Quantas não são as que dão desculpas porque estão cansadas, ou porque têm uma pequena dor de cabeça, enfim…a mínima contrariedade já é motivo suficiente para não vestirem o uniforme, ou seja, baixam armas. Minhas companheiras, só quero lembrar-vos que estamos numa batalha e que nesta não há tempo nem para limparmos as armas. Em todo o tempo devemos ter acesa essa disposição dentro de nós, e aconteça o que acontecer, ou surja o que surgir, devemos sempre dizer: Eis-me aqui! É claro que tudo tem um equilíbrio, não quer dizer que agora vai desprezar a sua vida pessoal, no entanto, vigie para não ser aquela obreira que nunca está pronta para nada, apenas para fazer o que lhe agrada.

Gostaria que pensasse neste assunto e perguntasse a si mesma: Sou essa obreira com disposição? Ou ainda tenho reservas na minha entrega?

Se quer ser uma obreira que marque a diferença no seu ministério, então disponha-se!

Gostaria de ler o seu comentário.