Obreira – Não se faça de vítima!

Viviane Freitas

  • 14
  • Mar
  • 2013

Obreira – Não se faça de vítima!

  • 14
  • Mar
  • 2013

Veja o e-mail abaixo e, de seguida, analise a resposta. É longo, mas leia até ao fim, pois este poderá ser o seu caso.


“Olá D. Viviane, tudo bem?

Aqui estou a começar tudo do zero. Já não estou mais como obreira.

Aconteceram coisas que eu nunca pensei que acontecessem na minha vida, mas também fiz coisas erradas que jamais imaginei fazer.
Foram 5 anos de obreira, e só no 5º ano é que tudo isto aconteceu comigo: Eu via obreiras ao meu lado, a caírem pelo mesmo erro que, mais tarde, eu cometi… Nessa altura, sabe o que sempre fazia? Pedia a Deus para não me permitir cometer o mesmo erro.

Então, porque aconteceu?

Porque mesmo pedindo, eu tinha mais era que vigiar e, depois, orar.
Mas aconteceu… e agora estou a pagar pelo meu erro.

Perdi tudo e agora estou a recomeçar do zero.

Isto, porque, no fundo, nunca nasci de Deus e tão pouco fui batizada com o Espírito Santo (…) quando caí em pecado, com o tal rapaz, e deixei de ser obreira, todas as pessoas (obreiros e algumas esposas) me viraram as costas e só estiveram presentes para me julgar. Foi tão difícil tolerar isso!
A senhora acredita que os membros que nem batizados são; que dificilmente vão evangelizar – ou quase nunca – foram os que mais me deram força e não me julgaram? Eu pude ver que o que falta hoje nos obreiros é o amor verdadeiro pelas almas. Ninguém soube ver a necessidade da minha alma e muito menos amá-la (Nestes dias, lembrei-me muito da mensagem da “alma” que a senhora deu).

A única pessoa que nunca desistiu de mim, que também ficou triste pelo meu erro, mas nunca me virou as costas, foi Deus.
Então eu só posso segurar na mão d’Ele. Foi o Único que me viu no “buraco” e quis segurar na minha mão. Nunca fiquei tão na dependência de Deus como agora, e é isso que me dá forças para continuar. (…)

Agora leia a resposta de Viviane Freitas:

Querida Amiga,

Não vou falar aqui sobre algo que seja emotivo, pois a emoção apenas “fala” do que sente e faz a pessoa ser mais atormentada ainda.

Veja bem o que o seu Pastor tem a dizer sobre si:

“Ela estava de “banco”, agora já não é mais obreira. Mentiu a 1ª vez , 2ª vez, e agora a 3ª vez, com o mesmo caso – beijando “incrédulo” na rua – e o rapaz com quem está atualmente vem agora à IURD e confessou que já tirou a roupa dela.
Ele está “pegando” firme, mas ela continuou com as mentiras, e, diante dela, afirmou que ambos tinham um “caso”.
Esse problema, já ocultava há mais de um ano.
Obrigado e boa tarde.”

Esta é a sua história! E se eu a colocar diante de si, estarei a julgá-la?!
Se é mentira, pergunto: Você não crê na divindade de Deus? Não é Ele a luz que mostrará toda a verdade; cedo ou tarde?
Se está tão segura, como diz, então, porque sente? E sente-se acusada pelas esposas, pelas obreiras, etc.?
Na realidade, você está apenas a sentir o que a sua consciência lhe traz.

Não me interessa o que os demais dizem a seu respeito, mas interessa-me pelo que você optou. É a sua vida que está em questão, e com ela não se brinca. 

Desculpe, mas que e-mail é esse?
Para sensibilizar os demais e fazer-se de vítima? Até quando vai ocultar o erro?

Acha que agindo desta forma é uma pessoa digna de confiança?

Mais uma vez, desculpe… mas tenho que escrever a verdade, para defender o direito que você tem descartado de ser salva. Eu tenho que lutar pela sua alma, pois a mentira, por menor que seja, é sempre uma mentira! E desta forma você coloca-se como filha do diabo. É o que a Bíblia diz.

Até agora falo de fatos e não do que você sente. Porquê? Porque os fatos revelam as suas escolhas, que por sua vez demonstram o seu amor, o seu tipo de fé e a sua consideração a Deus. E pelos fatos, você não ama a Deus; você apenas participa de uma religião.

Procure resolver o seu problema e pare de olhar para o que os outros dizem ou julgam, pois falando assim, você faz-se de vítima, e para mim, você não é vítima, é uma alma que está tentando buscar a Deus à sua maneira.

Procure ser e não aparecer. Quem busca ser, não precisa de afirmação de ninguém, e é claro que quando você se empenha por “ser”, de verdade, então, naturalmente, será visível aos olhos dos homens e mulheres de Deus, a sua beleza.

Efetivamente, você ainda não se “enxergou”, pois quando caímos na “real”, procuramos sozinhos a verdade… Não queremos mais ser aquela pessoa horrível! E é precisamente nesta fase que fazemos de tudo para resolver o que está dentro de nós.

Já a vítima, sempre usa um “bode expiatório” para acusar do seu fracasso, porque não quer a VERDADE.

E se você não quer a verdade, no fundo não quer Jesus!!!

Agora cabe a cada um colocar as “barbas de molho” e verificar se, de fato, esse não tem sido o seu proceder.

Marcamos encontro na próxima 5ª feira com mais um tema que vai despertar a sua fé e o desenvolvimento da sua salvação.

A nossa página no Facebook:
http://www.facebook.com/obreiros.em.foco.europa