A vida de Jacó – 13º Dia

Viviane Freitas

  • 7
  • Jul
  • 2013

A vida de Jacó – 13º Dia

  • 7
  • Jul
  • 2013

 

Olá, estamos no 13º dia em que falamos sobre a vida de Jacó.

“Assim, despediu Isaque a Jacó, que se foi a Padã-Arã, à casa de Labão, filho de Betuel, o arameu, irmão de Rebeca, mãe de Jacó e de Esaú.
Vendo, pois, Esaú que Isaque abençoara a Jacó e o enviara a Padã-Arã, para tomar de lá esposa para si; e vendo que, ao abençoá-lo, lhe ordenara, dizendo: Não tomarás mulher dentre as filhas de Canaã; E, vendo, ainda, que Jacó, obedecendo a seu pai e a sua mãe, fora a Padã-Arã; sabedor também de que Isaque, seu pai, não via com bons olhos as filhas de Canaã, foi Esaú à casa de Ismael e, além das mulheres que já possuía, tomou por mulher a Maalate, filha de Ismael, filho de Abraão, e irmã de Nebaiote.”
(Gn.28:5-9)

13ºDia – Os detalhes

A atitude de Esaú é de defesa; de quem não está a viver pela fé. E porquê isto? Porque vivia como uma pessoa comum, apesar de ter o exemplo do avô, Abraão, e do pai, Isaque. Enquadrava-se apenas na história; fazia unicamente parte da descendência.

Sempre que somos preteridos ou perdemos a oportunidade, podemos ter o mesmo tipo de ações, quando não as “cortamos”.

Sabemos da “história”, e podemos estar dentro da Igreja, mas ainda assim, permitir que os sentimentos conduzam a nossa vida, pois somos dotados de livre arbítrio; livres para fazer a nossa própria escolha.

Os sentimentos surgem por intermédio dos sentidos: Ouvir, ver, tocar… E Esaú viu o pai a abençoar Jacó, o qual obedeceu, não tomando mulheres daquela terra. E Esaú ficou com “raiva”, pois já tomara esposa dentre aquele povo. Assim, ainda fez pior, tomando uma mulher descendente de Ismael, opondo-se, diretamente, a seu pai, Isaque.

Quem não obedece, permite-se ficar com inveja, com raiva, perante determinadas circunstâncias. Por isso, devemos observar os detalhes.

Será que não nos permitimos, também, por vezes, ficar com uma “ponta” de inveja? Por exemplo, as solteiras que já apresentam uma certa idade… Perante o casamento de uma colega, ignoram-no e até se negam a comparecer. Porquê? Porque no afã do momento, têm reações naturais; reagem contrariamente à fé e, assim, deixam de vigiar as suas atitudes. Tornam-se pessoas desagradáveis!

Outro exemplo: Uma amiga ou conhecida que desenvolve no seu trabalho, da qual todos falam bem… E de si, ninguém fala. O que faz? Inveja e ignora!

Há muitos detalhes que permite que prevaleçam, demonstrando uma fé emotiva: Vai à Igreja, dá ofertas, dízimo, mas não está atenta aos pormenores, e são estes que fazem mudar a sua visão.

– Quando atenta para os detalhes, está a vigiar, negando ser negativa, pessimista, invejosa, orgulhosa, egoísta;

– Quando observa os detalhes, é porque já reparou que não é confiável; que os seus sentimentos a enganam e a fazem sentir coisas contrárias à fé.

Não estamos a falar de, ou para “anjos”, mas com seres humanos, de acordo com a realidade de cada um. Por isso, devemos reparar nos detalhes, pois aqui será definido o meu tipo de fé e o relacionamento que tenho com Deus.

A fé inteligente obedece! Não age por inveja ou impulso.

Então, amiga, não aja de acordo com uma fé emotiva, precipitando-se ao tomar uma atitude errada.
Atente para os detalhes, pois são estes detalhes, da Palavra de Deus, que estão a fazer a diferença na nossa vida.

Até amanhã.