Quarentena – 30º dia

Viviane Freitas

  • 25
  • Jan
  • 2013

Quarentena – 30º dia

  • 25
  • Jan
  • 2013


“Ora, anualmente iam seus pais a Jerusalém, para a Festa da Páscoa.Quando ele atingiu os doze anos, subiram a Jerusalém, Segundo o costume da festa. Terminados os dias da festa, ao regressarem, permaneceu o menino Jesus em Jerusalém, sem que seus pais o soubessem. Pensando, porem, estar ele entre os companheiros de viagem, foram caminho de um dia e, então, passaram a procurá-lo entre os parentes e os conhecidos; e, não o tendo encontrado, voltaram a Jerusalém à sua procura. Três dias depois, o acharam no temple, assentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os.E todos os que o ouviam muito se admiravam da sua inteligência e das suas respostas.” (Lc.2:41-47)

Os pais do Senhor Jesus, todos os anos comemoravam a Festa da Páscoa, que significa a libertação do povo de Israel, da escravidão no Egipto.

Quando o Senhor Jesus atingiu os doze anos, foi com os seus pais, mas terminados os dias da festa, permaneceu em Jerusalém.

Normalmente, depois de uma festa, a reação normal de alguém é querer voltar rapidamente a casa. Mas isto não sucedeu com Ele. Porquê?

Porque Ele estava envolvido com algo do Seu “mundo”, que era a fé; aprender as coisas do Pai!

Desta forma, não pensou “duas vezes” em permanecer no local, mesmo que os seus pais se tivessem adiantado no retorno, pensando que Ele estaria junto.

Ainda que sendo um menino, Jesus agiu como uma pessoa definida; aproveitou a Sua oportunidade, naquele momento, em Jerusalém.

Da mesma forma, no respeitante à minha fé e ao meu relacionamento com Deus, não existe família, costumes, idade ou cultura, que possam separar-me desta ligação.

O foco do Senhor Jesus não era apenas a comemoração, apesar do seu grande valor na época, mas o Seu desejo de estar na casa do Pai; aprender e encher-Se de sabedoria.

“Três dias depois, o acharam no templo, assentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os.”

Havia um objetivo… Jesus não permaneceu ali para nos mostrar a Sua “santidade”, mas porque havia o interesse de ouvir e perguntar.

Quando estamos à procura de agradar a Deus, não há vergonha de nos aproximarmos, até dos “doutores” – homens e mulheres de Deus – porque o nosso objetivo é mais elevado do que aquilo que sentimos!

E agora, pergunta-se: Quais são os seus interesses? Em que se tem baseado para alimentar o seu espírito? Será que se interessa por aprender? Estar perto daqueles que poderão sustentar a sua fé, ou não?

Estará apenas preocupada com a “festa”; com as “distrações” e futilidades que a rodeiam?!

Jesus tinha apenas 12 anos e já era perfeitamente definido.

O mesmo em relação a si: Tendo muitos, ou poucos anos, de Igreja, se estiver definida, procurará os seus interesses, independentemente se outros, mesmo familiares, estarão a seguir o mesmo caminho.

Jesus não seguia exemplos de ninguém, mas tinha o seu próprio objetivo: Desejava aprender; ouvir…

E quem quer realmente ouvir e aprender, desenvolve, sem medo, um objetivo definido!

E, para o atingir, deverá estar disposta a pagar um alto preço, como o Senhor Jesus, que ficou quatro dias sem os seus pais…

E a Sua alimentação? Onde dormia? O que sucedera, entretanto?!

Ele tinha um objetivo maior do que as Suas próprias necessidades.

E você, minha amiga, deve perceber o que tem sido maior na sua vida: As suas necessidades, o seu refúgio, os seus amigos, o seu cantinho ou estar atenta à voz de Deus?

“E todos os que o ouviam muito se admiravam da sua inteligência e das suas respostas.”

Porque motive o Senhor Jesus tinha inteligência e respostas?

Lembre-se que Ele desenvolvia; crescia em sabedoria. E isto devia-se à prática da Palavra de Deus…

Quando praticamos, temos experiências, mas se não o fazemos, o que sai da nossa boca serão meras palavras. Será clara a imaturidade!

A prática faz-nos transmitir Vida por intermédio das nossas palavras.

A obediência não é para todos… Mas aqueles que se separam; que se escolhem, estes, fazem a diferença!