Quarentena – 18º dia

Viviane Freitas

  • 9
  • Jan
  • 2013

Quarentena – 18º dia

  • 9
  • Jan
  • 2013




“E perguntaram, por acenos, ao pai do menino que nome queria que lhe dessem.
Então, pedindo uma tabuinha, escreveu: João é o seu nome. E todos se admiraram.
Imediatamente, a boca se lhe abriu, e, desimpedida a língua, falava louvando a Deus.
Sucedeu que todos os seus vizinhos ficaram possuídos de temor, e por toda a região montanhosa da Judeia foram divulgadas estas coisas.
Todos os que as ouviram guardavam-nas no coração, dizendo: Que virá a ser, pois, este menino? E a mão do Senhor estava com ele.
” (Lc.1:62-66)

Interessante… Quem o rodeava, ainda perguntava a Zacarias acerca do nome do menino; insistia, pois não acreditava que a ideia de Isabel, assim como a sua decisão, prevalecesse.

Mas o casal estava convicto; decidido a obedecer à voz de Deus.

Já no início do texto, refere que ambos eram justos e viviam de forma irrepreensível. Fica, então, uma vez mais, a prova da retidão e integridade do casal.

“E todos se admiraram.”

Qual o motivo desta admiração?

A maturidade na fé e na decisão.

Quando somos inconstantes, transferimos, de forma inevitável, insegurança.

Mas, quando há uma confiança da nossa parte, que se sujeita à ordem ou à disciplina de Deus, passa a existir um agradecimento; um louvor, e não queixas ou murmurações.

Quando ele escreveu, passou, então, a falar: “Imediatamente, a boca se lhe abriu…”

Zacarias poderia ter reagido: “Fiquei tanto tempo mudo…”; “Até que enfim que o Senhor abriu a minha boca…”. Nada disso!

Ele louvou a Deus!

Durante o processo em que ficou mudo, refletiu, reconheceu a sua situação e, ao escrever o nome de João, aceitou, de fato, o que o anjo lhe dissera.

A obediência é algo constante…
Aparentemente, não é uma conquista, mas reside no íntimo.

A primeira coisa que ele fez, foi abrir a boca e louvar a Deus. Porquê?

Porque ele se submeteu; aceitou a correção. E, além de aceitar, obedeceu, colocando o nome já designado para o filho.

Assim também, quando obedecemos, escolhemos submeter a Deus o nosso direito de escolha.

A obediência, significa que não ajo mediante a minha vontade, mas submetendo-me ao que é correto; justo. Ao que Deus me pede.

“…e, desimpedida a língua, falava louvando a Deus.”

Agora sim, não havia nada que o impedisse de falar e, consequentemente de louvar a Deus.

Quando existe um resultado da obediência, passamos a agradecer espontaneamente.

Zacarias e Isabel jamais foram obrigados a obedecer; foi algo natural por parte do casal.

“Sucedeu que todos os seus vizinhos ficaram possuídos de temor…”

Quando obedecemos; aprendemos a lição de nos submeter a Deus e permitimos que Ele oriente as nossas decisões. Por conseguinte, as pessoas ao nosso redor também ficam possuídos de temor; causa-lhes espanto e admiração, pois não é algo normal.

A obediência pressupõe um espírito de temor que se transmite, naturalmente, aos demais.

No momento em que estamos dispostas a obedecer, tornamo-nos radicais; definidas. Fazemos tudo para agradar a Deus, ainda que, em consequência, se desagradem a terceiros.

A obediência está exclusivamente interessada em agradar a Deus.

“…e por toda a região montanhosa da Judeia foram divulgadas estas coisas.”

Que coisas eram estas?

Que Zacarias estava mudo, mas, não obstante a sua condição, estava definido, assim como a sua esposa… Aparentemente, não haveria algo de extraordinário.

Mas o que chamava a atenção, era o espírito que aquele casal transmitia, mesmo sem palavras.

E você, amiga?

O seu espírito é o que divulga a respeito da sua fé? É o que evangeliza; que salva… ou leva ao precipício a outra pessoa?

O temor traz a resposta onde ninguém pode chegar.

O que as pessoas divulgavam a respeito deste casal, ninguém conseguia explicar, mas a vida de ambos, transmitia naturalmente, a grande diferença.

“Todos os que as ouviram, guardavam-nas no coração…”

A fé faz-nos ser diferentes.

Perante pessoas que reagem desta forma, sentimos segurança e questionamos a nossa própria insegurança.

Se estamos decididas e definidas, as pessoas admiram e guardam o motivo dessa definição.

O mais forte, não é a pessoa estar segura de si, pois até o orgulhoso está decidido em não mudar o seu pensamento. Mas aquele que está sustentado e que se baseia na Palavra de Deus, e não nos seus sentimentos e vontades, está livre de qualquer dúvida e acusação.

Está livre, pois não se preocupa em agradar a ninguém, senão a Deus.

Aqui está a diferença!