Quarentena – 15º dia

Viviane Freitas

  • 4
  • Jan
  • 2013

Quarentena – 15º dia

  • 4
  • Jan
  • 2013

“Bem-aventurada a que creu, porque serão cumpridas as palavras que lhe foram ditas da parte do Senhor.” (Lc.1:45)

Esta passagem diz tudo: Para si, que crê!

Quem diz crer, não fica indiferente à verdade sobre si próprio… Começa a perseguir o seu alvo e permite que o Espírito Santo faça o que deve ser feito no seu interior.

Quem crê, lança-se sem reservas e coloca em prática, no seu dia-a-dia, tudo o que tem ouvido.

Muitas pessoas têm visto algumas coisas na sua vida, porque deram pequenos passos, mas se não houver uma prática constante… de nada lhes servirá.

As promessas já foram feitas por Deus. Mas, a partir do momento que eu tomo conhecimento, apenas, e permaneço na emoção, nada se resolve.

Mas quem se lança, trará, sim, à existência, o que já foi prometido.

A sua bênção já existe! A única coisa que a faz retardar, é a dúvida; aquilo que “sente”.

Sabe o que faço para resolver esta questão? Penso da seguinte forma:

Sentir é pecar!

Todas as vezes que sou tentada a “sentir”, eu lembro-me desta frase… Recordo-me que isso é pecado. E aqui, substituo o “sentir” pelo “crer”.

Eu sei que parece fácil dizer-lhe isto, pois, difícil mesmo, é praticar…

Mas, enquanto vivemos na Terra, somos propensos a pecar, e o fato de sentirmos é o que nos enfraquece e o que nos impede de crer.

O crer, em nada se relaciona com o que vemos.

Já o “sentir”, sim…

Prende-se com o que vemos, com o que achamos, pensamos e sentimos. Baseia-se nos 5 sentidos.

A minha mãe sempre me ensinou que não devemos apoiar-nos totalmente nas nossas ideias e sentimentos. Aquilo que sinto, não dita as normas. Assim, fico “sempre” desconfiada de mim mesma; vigilante…

É aqui que eu ganho!

O que sentimos, pode equiparar-se a um “balão”, que vai subindo… subindo…

Queremos parar de “sentir” e não conseguimos!

Como, então, venço o sentimento?

A única forma de o conseguirmos, é raciocinando!

Porque, na nossa perspetiva, pensamos estar a fazer o melhor; a usar de sinceridade; que temos razão e direito de sentir tudo aquilo…
Nunca nos consideramos “erradas”… Nunca!

E, daí, jamais paramos de “sentir”. O “balão” continua a subir… e vai subindo…

Então, pare e afirme: “Não, eu não vou sentir!”

Baseie-se, antes, naquilo que está escrito na Palavra de Deus: Se eu guardo o que está escrito, eu vou crer nisso, mas, se guardo o que sinto, isso é que regerá a minha vida.

Então, aqui há a separação: Eu guardo o que creio, e não o que sinto!

Quem vence?

Quem é mais forte!

Se sente mais, o sentimento vence! Mas se raciocina; se fizer uso da fé inteligente, então passará a viver pelo que crê, e não pelo que sente.

Veja essas situações como oportunidades…

Estas imperfeições, que vivenciamos, é o que nos permite estar aqui e falar consigo neste momento!

Por isso, não lhe transmitimos simplesmente uma história, mas vida; experiência.

Se eu já o vivi e venci, você também pode vencer, através do mesmo tipo de fé! A força está dentro de si!

As dificuldades, os imprevistos e os desafios que tem vivido, assim como toda a verdade com a qual se tem deparado a seu respeito, não passam de oportunidades para crer!

Se não se deparasse com estes problemas, como creria?

É justamente nas dificuldades que aprendemos a crer!

O seu problema, não é um problema, mas uma oportunidade!!