De Filhos para pais: A pontinha do “véu”

Andreia Petrucci

  • 10
  • Mar
  • 2015

De Filhos para pais : A pontinha do “véu”

  • 10
  • Mar
  • 2015

Esta expressão significa que existe muito além daquilo que uma pessoa ou situação nos mostram, ou que conseguimos perceber à primeira vista. Basicamente são os sinais, ou apenas uma “amostra” para algo de maior dimensão.

Quando a pontinha do “véu” é desvendada, e realmente queremos ver além, isto vai implicar uma busca, uma procura atenta, de forma a percebermos, a fundo, quem somos, o que fazemos, e de que forma podemos resolver determinada situação.

Por exemplo, de que forma percebe o caráter de uma pessoa? Como conhece o seu espírito e verdadeiras intenções, se não convive com ela?
Através das atitudes! Se já revela nas atitudes, por exemplo, mau temperamento e agressividade, como será depois de ter confiança e intimidade?

Muitas vezes deixamos de estar atentos aos sinais, permitindo-nos conduzir pelos sentimentos ou vontade própria, e acabamos por perder oportunidades de tomar as decisões corretas na nossa vida, tanto em relação a nós mesmas, quanto na área familiar, e no nosso dia a dia. Até mesmo de forma a prevenir situações graves de saúde, que poderiam ter sido evitadas caso estivéssemos atentos a pequenos detalhes, que acabam por revelar-se cruciais.

Por exemplo:

– Muitos pais, por amarem “cegamente” os seus filhos ou por estarem demasiadamente envolvidos com os seus afazeres, não percebem os “sinais” do seu afastamento do lar e da comunhão familiar, até que estes se envolvam completamente com estranhos, com maus hábitos ou vícios. Pais e mães que atendemos na Igreja, até nos dizem que os seus filhos jamais fariam tal coisa… negando-se a assumirem a realidade!

– Outros tantos casos relacionam-se com pessoas à procura do parceiro ideal. Talvez depois de muitos anos à espera, aquilo que deveriam ser “sinais” passam a ser consideradas como atitudes “normais”: Uma palavra rude; um desequilíbrio; uma sugestão contrária à fé verdadeira… Se realmente a pessoa não está atenta a vigilante, acaba por se render a uma situação, cujos frutos se revelarão amargos no futuro.

Isto não significa que sejamos pessoas desconfiadas, ou que conseguiremos “controlar” tudo. Definitivamente, não! Há escolhas que apenas a própria pessoa faz, sem a influência de ninguém! Mas se estivermos atentas, vigilantes, apercebidas, mais rapidamente conseguimos perceber – e reverter – uma “armadilha” que se esteja a formar diante de nós.
Como num “ringue”! Já reparou em um ringue, a forma como os lutadores estão atentos, antecipando até cada movimento e golpes do adversário? Não há lugar para distrações!

E perguntará, talvez: “Mas será que Deus não nos livra do mal?”. Sim, sem dúvida, mas Ele jamais escolherá em nosso lugar! Sobretudo, Ele respeitará as nossas escolhas quando estas não são submetidas à Sua vontade. Ele é o princípio da justiça, e por isso não pode influenciar no livre arbítrio que Ele próprio nos concedeu!


Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar…” (I Pe.5:8)

Se permanecermos vigilantes e atentas aos sinais – sem nós enganarmos a nós mesmas – com certeza estaremos mais aptas a perceber onde falhamos, e trabalhar para acertarmos, ajudando igualmente quem nos rodeia.