Suposta discrição

Viviane Freitas

  • 26
  • Ago
  • 2013

Suposta discrição

  • 26
  • Ago
  • 2013

Ela é super agradável. Faz as coisas em casa, ajuda no que é preciso na Igreja e fica em silêncio a qualquer coisa que se refere à fé.

Não se mete em confusão. Não dá problemas ao marido. Faz tudo o que lhe é pedido com um rosto agradável.

Essa é a mulher discreta que muitos elogiam. Ela é calada, agradável, espera ser chamada e preocupa-se demais com o que os outros pensam a seu respeito. Por isso fica sempre no seu canto para não falarem mal dela.

A sua fé está ligada ao que se vê e faz. Enquanto não gera problemas, ela é um “referencial” de mulher de Deus.

Isso é o que a fé emotiva ensina: Tudo o que tem a ver com o medo, insegurança ou uma farsa; mostra o que não é real. Vive pelo que se vê e não pela fé.

Ela engana-se e diz que está na fé. Mas que novidade tem a vida? Não há nada de interessante senão… a rotina que se está a tornar um peso. A fé que está adormecida, a incredulidade que se está a tornar poderosa, pois a sua leitura é artificial; sem mencionar que, para falar com Deus, as palavras são repetitivas e sem expressão alguma da sua própria realidade.

Se deixar… essa pessoa diz que está tudo bem, mas a sua orientação a um problema concernente a uma alma, não leva nenhuma resposta ou direção, senão algo que todos sabem.
Não existe motivação para nada do que é espiritual, mas no que diz respeito aos afazeres… é para já! Não tem corpo mole. Tem disposição para tudo o que pode ser visto pelos homens e assim receber aprovação dos mesmos.

Mas no fundo, no fundo… ela é uma pessoa triste e vazia. Por mais que faça e cobre dos demais a falta que sente dentro da sua alma… nada sacia a agonia de estar longe, longe do que ela nem sabe. Pensa que está perto de Deus porque faz muito e não dá nenhum “problema”.
Muitas e muitas pessoas estão nesta situação dentro das igrejas.
Não têm nenhuma noção de que estão cegas.

A única forma de despertar é saber a verdade do que elas fogem de ouvir, mas… nem sempre ela é capaz de reconhecer o seu verdadeiro “eu”.

Sente-se como uma pessoa sã, que não precisa de médico. Essa é a pior, porque não enxerga o seu pecado, e não enxergando, como vai buscar a Deus como seu Salvador? Como vai agradecer, reconhecer ou ser grata, se agora está tudo bem????!!

Amiga leitora, pare de ser emotiva e dizer que está bem, quando, onde vivemos, juntamente com o príncipe deste mundo e a nossa natureza pecaminosa, não nos ajudam em nada e muito menos a sermos sãs.

Nós precisamos do Médico dos Médicos porque todos carecem do perdão e da dependência de Deus para ser salvos!