Quarentena – 5º dia

Viviane Freitas

  • 21
  • Dez
  • 2012

Quarentena – 5º dia

  • 21
  • Dez
  • 2012



“E converterá muitos dos filhos de Israel ao Senhor, seu Deus.
E irá adiante do Senhor no espírito e poder de Elias, para converter o coração dos pais aos filhos, converter os desobedientes à prudência dos justos e habilitar para o Senhor um povo preparado.” (Lc.1:16,17)

Eis aqui a resposta à pergunta de ontem…

O que é ser grande diante de Deus?

É ter a ousadia; converter muitos dos filhos de Israel – os que estão dentro da Igreja – a Deus.

Existem muitos que até professam ser filhos de Deus, mas que, na prática, têm uma vida contrária à fé. Têm vivido do seu “jeito”; à sua maneira, crendo que, desta forma, alcançarão de Deus alguma coisa.

O converter, nada mais é, do que uma mudança de direção.

“irá diante do Senhor no espírito e no poder de Elias…”

Esse João Batista, que o anjo apresentava a Zacarias, não era um covarde! Não se disporia, jamais, a ir adiante de Deus, na “carne”; precipitado e ansioso… Mas no espírito, que significa permanecer vigilante; atento…

Quando se vai adiante de Deus permanece-se atento ao que é certo ou errado; não se fica à espera que Deus faça as coisas; que lhe toque ou que a mova.

Vai adiante; está alerta!

E quem vai adiante, são apenas os corajosos e audaciosos. Não se colocam na frente de batalha os tímidos, mas os que não temem encarar o desafio.

E quem era Elias?

Quando se fala em Elias, lembra-se da fé! De alguém corajoso, que, sozinho, enfrentou os profetas de Baal e venceu… (I Reis 18:25)

Então, se a pessoa é tímida; medrosa; covarde; tem os seus receios e vive preocupada com aquilo que os demais pensam… Automaticamente, não é grande diante de Deus.

NÃO! Permanece no seu espírito de fraqueza, que é limitado…

Veja-se que João ia no espírito e poder de Elias, para converter o coração dos filhos de Israel… Não era para aparecer, mas para mostrar a Verdade! Ser audacioso, revelando o que é certo!

E só há capacidade para revelar essa audácia, no momento em que se venceu a fraqueza que nos tornava escravos. Se existe peso na consciência, “rabo preso” com o erro ou conluio com o pecado, não há como viver esse poder e, muito menos, transferi-lo aos demais.

Existem muitas pessoas na Igreja que estão à espera de alguém audacioso que fale a verdade, para converter o seu coração. A audácia não serve como humilhação, mas como uma forma direta de libertação da alma.

Assim era João Batista que, apesar do seu espírito audacioso de poder, era amado e seguido por todos quantos tinham sede da Verdade. Ele não se preocupava em agradar a ninguém, senão ao próprio Deus, convertendo os ouvintes, por intermédio da exortação ao arrependimento.

Sou eu, que que tenho conhecido a Palavra de Deus, que me farei escolhida para levar esta salvação aos demais. De mim depende o cumprimento desta promessa!

Existe o confronto do que é errado; uma direção e uma disciplina… A conversão do coração é justamente o anular os sentimentos das pessoas que afloram: O medo, a timidez, a covardia, a insegurança… a dúvida.

O que me fará livre destes sentimentos?

Precisamente quando eu ajo de acordo com a fé inteligente!

Quando ouço a voz do servo de Deus, atento para a verdade e aí, disciplino-me e converto-me: Deixo de fazer o que normalmente faria, em função dos sentimentos, para fazer o que está escrito, que é a obediência à Palavra.

Amiga, gostaria que pensasse…

O que nos faz ser grandes diante de Deus, é o fato da Sua Palavra ser viva e eficaz no nosso interior.