Quarentena – 23º dia

Viviane Freitas

  • 16
  • Jan
  • 2013

Quarentena – 23º dia

  • 16
  • Jan
  • 2013




“Havia, naquela mesma região, pastores que viviam nos campos e guardavam o seu rebanho durante as vigílias da noite.
E um anjo do Senhor desceu aonde eles estavam, e a glória do Senhor brilhou ao redor deles; e ficaram tomados de grande temor.
O anjo, porém, lhes disse: Não temais; eis aqui vos trago boa-nova de grande alegria, que o será para todo o povo: é que hoje, vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor.E isto vos servirá de sinal: Encontrareis uma criança envolta em faixas e deitada em manjedoura.
E, subitamente, apareceu com o anjo uma multidão da milícia celestial, louvando a Deus e dizendo:
Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem.”
(Lc.2:8-14)

Quando o texto refere que “havia naquela mesma região”, percebo algo: Embora existissem muitas pessoas na área, Deus escolheu os pastores que viviam no campo, para dar a notícia.

E porque motivo chamaram a atenção:

Porque estavam na “luta”; atentos, a guardar o seu rebanho durante a noite.

Se eles tinham este zelo para com os animais, era porque, de fato, os valorizavam.

E quando é que eu valorizo Deus, a minha fé e a minha salvação: Quando estou de “vigília”; atenta… Quando existe sacrifício da minha parte em fazer, não o que eu desejo, mas aquilo que Deus quer para mim.

Como é que sabemos se estamos, ou não, a valorizar?

Quando ouvimos uma mensagem e pensamos na mesma, adaptando-a à nossa vida.

Muitas pessoas, ao ouvir uma mensagem, transferem-na para a vida de terceiros e, com isto, invalidam a sua própria necessidade de permanecer vigilantes.

Porque estão atentas às demais, e não à vida própria.

Acham-se perfeitas; sem erros. Por isso atribuem as culpas e a necessidade de mudança aos outros.

Na mentalidade de algumas pessoas, mesmo cristãs, não consideram o que fazem, como prejudicial para os outros ou para si… Mas, inconscientemente, não creêm na salvação! Pensam: “Estou batizada com o Espírito Santo, então, não tenho problemas. Tenho erros e falhas, sim, mas isso é normal…”

Às vezes, mesmo não conquistando tudo o que gostaria, mas porque alcançou uma posição pela qual é “reverenciada”, apoia-se nisso… Contudo, não tem vida! E a prova, são as suas palavras; a sua conduta em relação à vida espiritual. Não se vê com necessidade da salvação…

E se não se cuida e valoriza a si própria, que condições terá de dar a vida pelas suas ovelhas?!

“E um anjo do Senhor desceu aonde eles estavam, e a glória do Senhor brilhou ao redor deles…”

Veja bem: Quando você vigia, o próprio servo de Deus – o anjo – vai ao seu encontro. Mas isto, porque você tem o desejo de se aperfeiçoar, não para os demais, mas para Deus.

Os pastores não tinham ninguém a quem prestar contas, mas revelavam um carinho; uma atenção e cuidado, não impostos por ninguém. Era-lhes natural!

E quando apreciamos Deus; valorizamos a nossa salvação, revelamos este cuidado pelas “ovelhas” e esmeramo-nos pelo próximo, o que leva Deus, naturalmente, a revelar-se como o verdadeiro pastor das nossas almas.

“Não temais; eis aqui vos trago boa-nova de grande alegria, que o será para todo o povo.”

Quando Deus revela, traz-nos temor. Não recebemos a notícia com euforia.

O temor é silencioso; faz-nos pensar!

Mesmo estando 100% entregues ao que lhes estava confiado, ainda assim, não se consideravam dignos de tamanha revelação.

“…apareceu com o anjo uma multidão da milícia celestial, louvando a Deus…”

Os anjos festejavam porque perceberam a misericórdia de Deus e a Sua glória, ao “arriscar” o melhor que Ele tem, para salvar pessoas que, eventualmente, até O negariam.

Deus salva apenas os que creêm, mas a oportunidade é transmitida a todos os que assumirem a sua fé. Estes conquistarão a salvação.

Por outro lado, os que ouvem falar de Deus, mas não materializam a sua crença, para estes, Deus não surgirá como Salvador.

Como é que um anjo, sem pecado, glorifica a Deus? Porque vê o perigo que atravessamos na Terra; que devemos negar a nós mesmas todos os dias, e que nada temos para Lhe ofertar, a não ser erros…

Por isso eles louvam a Deus: Pelo Seu amor infinito, que jamais se encontrará em qualquer outro ser…

Então, eu pergunto-lhe: O que tem feito para chamar a atenção de Deus? Tem vigiado?

Porque, se assim for, é um sinal que decidiu render a Ele o seu melhor, mas, se, pelo contrário, não o faz, é porque não vê uma necessidade urgente de procurar e resguardar a sua salvação.

Coloque as suas “barbas de molho”, pois todas nós carecemos de salvação!