Quarentena – 19º dia

Viviane Freitas

  • 10
  • Jan
  • 2013

Quarentena – 19º dia

  • 10
  • Jan
  • 2013

“Zacarias, seu pai, cheio do Espírito Santo, profetizou, dizendo:
Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, porque visitou e redimiu o seu povo, e nos suscitou plena e poderosa salvação na casa de Davi, seu servo, como prometera, desde a antiguidade, por boca dos seus santos profetas, para nos libertar dos nossos inimigos e das mãos de todos os que nos odeiam; para usar de misericórdia com os nossos pais e lembrar-se da sua santa aliança e do juramento que fez a Abraão, o nosso pai, de conceder-nos que, livres das mãos de inimigos, o adorássemos sem temor, em santidade e justiça perante ele, todos os nossos dias.” (Lc.1:67:75)

Zacarias estava cheio do Espírito Santo quando profetizou estas palavras.

Não foi o mesmo cântico que Maria proferiu…

Antes de falarmos sobre o que lemos, quero que preste atenção ao seguinte: Maria não havia passado durante meses, muda… Digamos que o processo foi diferente, em virtude da reação de cada um:

Ambos fizeram a pergunta, mas a de Zacarias apresentava-se como uma dúvida, e a de Maria, como uma consequência da informação que recebera do anjo: De que forma sucederia e o que deveria fazer.

Após os meses que Zacarias esteve “calado”; “mudo”, ele profetizou, cheio do Espírito Santo.

Quando seremos cheias do Espírito e usadas por Deus?

Quando também pagámos o preço de aprender… E isso faz com que O apreciemos.

“Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, porque visitou e redimiu o seu povo.”

A palavra redimir é retirar do perigo da condenação.

Quando Zacarias professa estas palavras, salienta o cuidado de Deus. Ele sabe que o povo de Israel não tinha nenhum direito à Sua misericórdia, pois, apesar de escolhido, havia cometido muitos erros.

Igualmente nós, quando aprendemos, reconhecemos a misericórdia de Deus, pois não tínhamos como ser salvas, da forma como agíamos.

…e nos suscitou plena e poderosa salvação na casa de Davi, seu servo…”

É algo poderoso… Mesmo crendo em Deus, tendo a Sua disciplina e mandamentos, repare, ainda assim, na quantidade de vezes que O decepcionamos. Perante isto, só podemos dizer que a Sua salvação é poderosa!

Zacarias fala desta forma, pois viu essa misericórdia, primeiramente, na sua vida. Daí, o seu cântico ser tão objetivo e claro. Pois, tendo passado pelas suas próprias lutas, reconheceu o seu erro.

Mesmo declarando-se “de Deus”, assim como Zacarias era considerado justo, ele aprendeu. Tal como nós, que erramos, mas prosseguimos em aprender. Precisamente para que entendamos a salvação que Deus nos concede.

“…para nos libertar dos nossos inimigos e das mãos de todos os que nos odeiam…”

Deus permite que venhamos a aprender, para nos libertarmos de tudo o que nos aprisiona; daquilo que é considerado nosso “inimigo”. Por exemplo, a nossa vontade, o “eu”, os sentimentos… são inimigos declarados, no nosso interior.

Quando aprendemos o que é reto, e praticamos, afrontamos o que nos tenta oprimir, contrariando o que é usado para nossa própria destruição.

“…para usar de misericórdia com os nossos pais e lembrar-se da sua santa aliança…”

Porque todos pecaram… mas Deus não mudou! É constante e permanente na Sua misericórdia.

Deus não necessitaria fazer juramento, pois Ele tem o poder e não precisa convencer ninguém. Mas fez questão de jurar. Porquê?

Porque valoriza cada uma de nós e faz questão que sejamos confiantes. Por isso, jurou por Ele mesmo, e pela aliança firmada com os Patriarcas.

“… de conceder-nos que, livres das mãos de inimigos, o adorássemos sem temor…”

Enquanto os sentimentos nos dominarem, ficamos frustradas. Quando isto acontece, não adoramos a Deus com temor, mas religiosamente, com palavras decoradas e sem expressão; sem vida.

E porquê?

Porque a fé está contaminada pelos sentimentos; é uma fé emotiva.

Enquanto estamos “amarradas” nas mãos dos “inimigos”, ou seja, os sentimentos predominam, não existe ousadia. Não conseguimos ser definidas.

A definição existe quando estamos livres dos nossos pecados; daquilo que nos aprisiona.

O adorar sem temor, significa que aprendemos a lição!

À semelhança de Zacarias: Se ele não tivesse aprendido; se deixasse a dúvida ou a sua vontade prevalecer, jamais louvaria livremente.

Mas como se submeteu e aceitou, estava livre para louvar a Deus.

Quando aprendemos, fazemo-nos livres…

Já não existe o “aperto” no coração; a agonia; preocupação; desconfiança; dúvidas… Daí o referirmos o sentimento como um pecado. Pois, na verdade, isto aprisiona. É um inimigo! E quanto mais der vazão aos sentimentos, mais se torna presa a estes.

Mas, quando aprende e se submete, está flexível à ordem de Deus.

“…em santidade e justiça perante ele, todos os nossos dias.”

Quando não estamos a ser conduzidas pelo que sentimos, senão pela justiça, que é a Palavra de Deus, passamos a viver em “santidade”, apartando-nos da fé emotiva.

Até sentimos… mas eliminamos imediatamente, pois temos plena percepção do ataque do “inimigo”. E cortamos o mal pela raiz… Não permitimos que este prevaleça, nem um só dia!

Amiga, é a sua vez!

Este ano, está nas suas mãos o “arrancar o mal pela raiz”. Depende de si.

Eu não sei se está a “sentir” ou a odiar o mal. Mas uma coisa é certa: Se este ano acabar, e esta Quarentena tiver fim, e você permanecer frustrada, é sinal que tudo não passou de emoção.

Aceitou a Palavra de Deus, alegrou-se, mas não perseguiu, odiou os erros e se valorizou.

E quando se valoriza?

Quando luta para “Ser”, independentemente do que os demais pensarão a seu respeito.