Obreiras com hábitos religiosos!

Luisa Teixeira

  • 18
  • Jul
  • 2013

Obreiras com hábitos religiosos!

  • 18
  • Jul
  • 2013

Nestes dias, analisava algo muito comum entre as obreiras, e que me fez pensar muito…

Estava sentada no primeiro banco, frente ao altar, a meditar em relação ao que Deus pretende de mim.

Quando olho, e vejo um grupo de obreiras e obreiros, em circulo, de mãos dadas, a orar pelo povo. Dentro de mim, acendeu-se uma revolta tão grande, não pelo que estavam a fazer, mas pela cegueira espiritual!
Mas são muitos os que agem assim. Limitam-se a orar simplesmente, pensando que a oração, por si só, faz o que a própria pessoa tem que fazer.

Isto é tão sério! E infelizmente é um dos piores problemas camuflados, e que existe no meio das obreiras. Depois vêm as grandes questões: “Mas porque é que o meu trabalho não dá frutos? Eu oro, mas nada acontece?”
A razão está aí: Você só ora, faz o que é mais fácil e o que não exige de si desafio, atitude, autoridade.

Vamos pensar juntas:

Jesus orava pelas pessoas de mãos dadas com os discípulos? Ele limitava-se apenas à oração? Ou ia para o terreno, para o meio do povo, a fim de suprir as suas necessidades?

Não vamos viver no engano, minhas caras obreiras, e nem de religiosidade, pois, muitas vezes, essas orações que apenas têm como base o costume e a tradição, não passam do tecto!

E porquê?

Porque Deus espera que você vá para o meio do povo, ouvir, atender, analisar cada problema e resolvê-lo com a autoridade que lhe foi outorgada. Só que, na realidade, não é isso que acontece… A grande maioria esconde-se atrás de uma oração, pensando que já fez a sua parte, quando, na verdade, não está a dar de graça, o que de graça recebeu.

Obreira, dispa-se dessa capa religiosa de oração e avance em direção do povo. Faça jus ao seu chamado, honre o uniforme que tem vestido e desfaça as obras do diabo. Fale com as pessoas que chegam à igreja com as suas vidas despedaçadas, mas fale com ousadia, com vida! Não seja superficial no seu atendimento, dizendo apenas: “Deus vai abençoar, faça a corrente de oração”, pois isso não resolve; isso é um atendimento fraco e sem paixão. Você tem que ir fundo, ao cerne do problema. Veja que Jesus não tratava das feridas superficialmente, Ele arrancava-as pela raiz!

Quer saber qual a maior e eficaz oração? É o atendimento; é ir para o campo de batalha!

Talvez este artigo seja muito directo, mas é para abrir os seus olhos espirituais.
Faça o seu comentário sobre o assunto e diga-me se conseguiu entender o espírito da mensagem. Aguardo.

Siga-nos: http://www.facebook.com/obreiros.em.foco.europa