Obreira que chora…

Luisa Teixeira

  • 1
  • Mai
  • 2014

Obreira que chora…

  • 1
  • Mai
  • 2014

Na semana passada já falei sobre uma bem-aventurança, e hoje não vai ser diferente, pois Deus mostrou-me que esse seria o assunto a ser abordado, nos próximos posts para as obreiras.


Poderá entender-se como uma “série”, das bem-aventuranças.

Sei que muitas de vocês têm aprendido, e que sempre, estão dispostas a mudar… sobretudo o interior, através dos artigos que trazemos todas as 5ª feiras. É tão bom quando nos colocamos à disposição para aprender, como acontecia no tempo em que Jesus ensinava aos Seus discípulos. E note que o Senhor Jesus não perdia nenhuma oportunidade para ensinar, e revelar a vontade de Deus para os Seus filhos.

Seria muito importante que cada uma, que lesse este artigo, visse dessa forma, como um ensinamento, vindo do próprio Deus, com o intuito de moldar o seu caráter, para que seja um instrumento vivo e um referencial. As bem-aventuranças são verdadeiros ensinamentos que nos revelam a real felicidade, que não é passageira, e que não se manifesta de forma circunstancial, mas que vem de dentro para fora. No artigo passado falámos sobre os humildes de espírito e que nos trouxe uma visão muito mais profunda do que tínhamos em mente. E porquê? Porque é algo interno, que ninguém vê, mas que é necessário para agradarmos a Deus.

A outra bem-aventurança é sobre os que choram e que serão consolados. Mas que choro é esse; que consolo é esse?

Na verdade, não se trata de um choro sentimental, ou porque, eventualmente, esteja a enfrentar um problema externo em sua vida. Não! Não é desse choro que visa a solução dos seus dilemas. Até porque, se assim fosse, então, o nosso choro – e quantas não foram as vezes que já chorámos tanto, sem parar (e falo por mim) – na realidade nada resolveu. Muito pelo contrário, ficámos mais emotivas e sensíveis ao nosso estado de “coitadinhas”. E o pior de tudo, é que não há consolo, e quando existe, não é duradouro… porque não há desapego e arrependimento!

Esse choro, vai muito mais além, é um choro de entrega para Deus, em ser mais para ELE. É um choro que vem de dentro da sua alma, para ser mais justa para Deus. Sabe o choro de Maria Madalena? Sim… choro de arrependimento, de dor pelo seu estado. Esse choro produz consolo, porque é justo e sem interesse próprio.

É muito profundo, minhas companheiras. Devemos estar atentas e detectar que tipo de choro temos apresentado a Deus.

E vocês amigas? O que me dizem desta série das bem-aventuranças? E sobre o artigo de hoje?