Obreira e a sua postura no aconselhamento…

Luisa Teixeira

  • 5
  • Fev
  • 2014

Obreira e a sua postura no aconselhamento…

  • 5
  • Fev
  • 2014

No âmbito do atendimento, hoje venho falar sobre algo que tenho observado, e que tem faltado por parte de algumas obreiras, que é o aproximar-se das pessoas que chegam à igreja.


Como assim?

Algumas esperam que as pessoas se cheguem para falar, e não tomam a iniciativa de ir junto à pessoa e estabelecer uma conversa.

Há alguns dias atrás, uma Obreira, em conversa informal, disse-me que não vai ter com a pessoa para não se tornar inconveniente, e porque não faz parte da sua índole. Logo a fiz ver que não pode ser assim, e que essa postura não é o que Deus espera de nós. Muito pelo contrário, Ele espera atitude da nossa parte, ousadia para agirmos a nossa fé, com garra, com revolta pelas vidas que estão nas mãos do diabo. Será que é isso que tem feito?

Na verdade, o pastor não consegue atender todas as pessoas de forma personalizada, com acompanhamento, por isso é imprescindível o trabalho das obreiras nesse sentido, de auxiliar o pastor. No entanto, deve fazê-lo com responsabilidade e compromisso.

Lembre-se que tem um chamado, e esse chamado não é apenas para ficar “bonitinha” no salão, a desfilar o uniforme. Não!!! Deus chamou-a para libertar os algemados de alma, mas para isso, há urgência de sair da sua zona de conforto; de contrariar a tendência de ficar no seu “cantinho”, e partir para o terreno.

Outra questão muito importante, é em relação à forma como recepciona quem chega à igreja, quer sejam membros ou pessoas pela 1ª vez. Deve apresentar-se com semblante agradável, simpático. Temos visto que muitas ficam com a cara “fechada”, carregada, e isso não é benéfico, e acaba por não aproximar as pessoas de si. Trabalhe nesse aspeto e mude de comportamento, se esse é o seu caso.

Também é importante reforçar que o aconselhamento deve ser seguro, com direção. Caso não tenha a resposta certa para dar, no momento, não deve ficar acanhada e nem envergonhada, antes, deve dizer à pessoa, com humildade, que vai pedir o parecer do seu pastor. Nunca deve aconselhar de forma precipitada ou infantil.

Identificou-se com este post? O que mais lhe chamou a atenção?

Registe o seu comentário. Estou de “olho”!