Obreira “Caim”

Luisa Teixeira

  • 7
  • Mai
  • 2015

Obreira “Caim”

  • 7
  • Mai
  • 2015

Li quase todos os comentários que fizeram sobre o Post da semana passada, em que falávamos da maior escravatura que existe: O SENTIMENTO, e infelizmente pude perceber que mesmo diante do que foi mencionado, ainda existem muitas pessoas que não entendem a forma de serem livres dessa prisão emocional.

A título de exemplo, ainda esta semana me encontrei com uma Obreira que estava a enfrentar uma situação em que se via completamente controlada pelos seus sentimentos. E o pior de tudo é que isso estava a criar raízes profundas dentro de si, que passaram naturalmente a influenciar o seu comportamento e, consequentemente, todas as áreas da sua vida foram afetadas. Tudo porque se deixou levar por comentários maliciosos e passou a olhar para os que a advertiam do seu estado, com olhos contrários aos da fé. O seu interior estava carregado e o seu semblante pesado, pois é dessa forma que fica a nossa vida quando damos vazão ao que não presta.

Trago estes exemplos, não para criticar ou para expor quem quer que seja, até porque não cito nomes, mas para que fique bem claro como ficamos quando permitimos o coração falar mais alto.

Gostaria que pensasse no que vou mencionar agora sobre o que Deus disse a Caim. Esta “história” é antiga, mas repete-se nos dias de hoje e lamentavelmente no nosso meio. No entanto, a orientação de Deus é perfeita e não falha. Quando a seguimos com a Fé Inteligente, permite-nos ser livres do pecado.

Repare no que está escrito em Génesis 4:6,7

“Então lhe disse o Senhor (para Caim): Porque andas irado, e porque descaiu o teu semblante?”

Quando estamos cheias de “sentimentozinhos” dentro de nós, qual é a nossa tendência? Ficar mais agressivas, impulsivas, mal humoradas, cabisbaixas, com o semblante literalmente caído.
É ou não é verdade?

Mas observe a VISÃO do nosso Deus:

“Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Se, todavia, procederes mal, eis que o pecado jaz à porta; o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre domina-lo”

A verdade é que se agirmos bem, e isso não implica sermos caridosas ou “boazinhas”, mas sobretudo agirmos com justiça, com raciocínio e não com os sentimentos que só nos fazem pecar, então seremos aceites por Deus e pelos homens de forma natural. E uma vez mais fica reforçado que todos os dias e a toda a hora, os sentimentos estão à porta mas cumpre a mim dominá-los.

Quero que saiba que essa orientação de Deus, foi e é na minha vida como uma trombeta que soa alerta sempre que os sentimentos pretendem aflorar.

Cuidado para que não seja uma Obreira Caim, deixando-se levar pelo seu “eu” a ponto de não haver solução para o seu estado espiritual, mesmo dentro da Obra viva, como Caim.

O que tem a dizer do Post de hoje? Já se viu assim, sem conseguir dominar os seus instintos?