Objetivo é a Força

Silvia Alvarenga

  • 9
  • Jul
  • 2012

Objetivo é a Força

  • 9
  • Jul
  • 2012

Como falava no blog anterior, essa revolução se deu, porque eu tinha um objetivo bem firmado e bem definido.


No entanto, teria que provar a mim mesma até que ponto eu aguentaria as pressões do meu sonho. Seria eu violenta nas minhas atitudes perante o meu sonho ousado?

O meu sonho não era fazer uma quarentena, onde elas, as esposas, dependessem de mim. O meu objetivo era para aprenderem a viver uma fé inteligente e serem independentes das circunstâncias, tornando-se dependentes de Deus.

Todo o mundo tem sonhos, mas nem todos geram, porque não estão dispostos a pagar o preço equivalente à realização do seu sonho. E para que eu gerasse, tinha que provar para mim mesma em que situação me encontrava no meu propósito.

Como assim?

O sonho pode ser uma impolgação ou um grito de revolta. Isto é, ou eu sinto, ou eu raciocino.

E o que prova como estou?

As dificuldades revelam quem sou e qual é o meu objetivo. Emotivo ou Racional?

Aqui separa :

[starlist]

  • Os vencedores dos frustrados;
  • Os sentimentais dos racionais;
  • Os definidos dos sonhadores;
  • Os que creêm em Deus dos religiosos;

[/starlist]

 

Aqui fica evidente que tipo de fé tenho em Deus. E que tipo de relacionamento tenho com Deus.

Você age como você crê.
Se você ora definida, você age definida.
Se você crê religiosamente, você age religiosamente.

Existe a resposta ao seu pedido mediante a sua entrega.

Agora cabe a você fazer a uma introspecção sobre o que você tem sido e o que você sonha.

Será que estou no mesmo patamar do meu sonho? Ou sonho é maior do que minha entrega?

Se ele maior, então seu sonho é ilusório.
Agora, pare com a história da sua bondade, porque ela não revela a verdade sobre você. E… não existe força na sua definição porque você está agarrada ao que sente e não ao que é inteligente e necessário.

E a revolução, fica para te contar no próximo blog.