O Quadro

Viviane Freitas

  • 6
  • Jul
  • 2013

O Quadro

  • 6
  • Jul
  • 2013

Era uma Terça-feira, e a minha mente não parava de pensar: “O que tenho feito para mostrar Deus; o Deus verdadeiro?”

Pensava na cegueira espiritual de muitas pessoas ao meu redor, e estava insatisfeita. Era a dor de que algo poderia ser feito.

Entro em sites, em blogs, procurando ideias… Oro, paro para ler a Bíblia e nenhuma ideia surge.

Entre a insatisfação, a sede e a busca, Deus mostra-me algo a ser feito…

A minha amiga entra em uma reunião com um quadro meu, pintado a preto e branco, ora com as mulheres presentes e depois apresenta o meu quadro.

“Quem conhece a pessoa pintada neste quadro?”
Pergunta.

Todas, em uma só voz, dizem o meu nome. Estou atrás de uma porta a ouvir e a perceber tudo o que vai acontecendo…

“Então vocês sabem quem é… Aproveite e venha aqui à frente falar com ela; expor alguma situação que esteja a viver.”

Elas não entendem e imediatamente revidam:
“É só um quadro!”

A minha amiga continua…
“Mas vocês não sabem quem é ela?! Então podem vir!”

Algumas prosseguem:
“Mas ela não me vai ouvir! O quadro não fala e nem ouve!”

Depois de alguns minutos, eu entro, digo boa noite e pergunto-lhes:
“E agora, alguém se prontifica a falar comigo?”

Prossigo…

É assim que muitas vezes buscam a Deus, e que O vêem: Como um quadro pintado…
Vêem Deus como um quadro pintado em uma parede; um Jesus desenhado por mãos de alguém, e por isso as suas orações não são ouvidas.
Sabe quem Ele é, mas não O conhece; não tem intimidade com Ele e procura-O de forma religiosa.
Foi toda a vida induzida pelas religiões, pelas facilidades em buscar um Deus que não as pode ouvir, falar, tocar, dirigir a sua vida… E aí, sem direção, procuram respostas no pastor e na igreja, tornando-se dependentes de terceiros ou de intermediários.

Em algumas percebi os seus olhos com lágrimas…

Sabe, minha amiga, às vezes, até está dentro da igreja, mas Deus, para si, é apenas o conhecimento de uma história que o pastor contou na reunião, e simplesmente alguém a quem interceder por uma necessidade. Mas não tem intimidade com Ele, não O conhece; Ele não a dirige, não guia a sua vida, e a prova são as atitudes que você toma.

Ele quer fazer-Se vivo dentro de si! Como num casamento, onde os dois têm livre acesso um ao outro, assim Ele quer ter livre acesso a si, e você a Ele. Desta forma, não apenas as suas orações serão ouvidas, mas será dirigida e guiada por Deus.

A pergunta que deve avaliar, é: Será que conhece a Deus, ou Ele ainda é como um quadro pintado, que até visualiza mas que não conhece, na pessoa do Espírito Santo?