História de Alguém Infeliz

Viviane Freitas

  • 21
  • Mar
  • 2011

História de Alguém Infeliz

  • 21
  • Mar
  • 2011

“Eu o vi, ele me viu, e aquele frio+calor que sobe e desce dentro do meus instintos começam a acelerar meu coração, e a certeza de que ele é para mim é cada dia mais forte. Eu nunca senti algo tão estrondoso assim!!!!

E o mais natural, é que ele me chama para sair, e assim conhecemos um ao outro. Com o tempo foi aquela paixão se aprofundando e oficializamos o nosso noivado. Daqui algum tempo me caso.

Mas de repente … vejo que meu marido se transforma! O romance, já não está a flor da pele. Agora tudo que ele me pede, é que eu faça minhas responsabilidades. Sem carinho, sem admiração, fico chateada. Depois vou me deitar e ele ainda tem a cara de pau de me procurar. Já não sinto atraída por ele, já deixou de ser novidade, e descobri que não o amo. Devido a tanto desprezo e amargura que ele me proporciona, não aceita me entregar.

Passam dias, e ele nem se importa mais comigo! Tudo que vem na minha cabeça é aquela cena que meu ex-namorado fazia comigo. Sinto-me atraída a buscá-lo, para relembrar o que nós dois curtíamos juntos. Porém sou casada, e se o meu marido descobrir? Não vai querer submeter-se a essa situação.

O que eu faço?

Você acha que tenho direito de me entregar a alguém que me maltrata ou não reconhece o que eu faço? Você acha que é justo continuar esta relação (com meu marido) já eu não consigo ser feliz com ele?”

Conclusão da história

Enquanto ela sentia aquelas sensações, ela achava que o amava. Quando se casou, não encontrou mas nenhuma sensação nova ou curiosa. Deixou de “amar”. A paixão “pegou de cheio” e deu o golpe certeiro, que muitas pessoas não se dão conta. Iludiu a tal ponto, que pensou que estava disposta a se comprometer pelo resto da sua vida com ele.

A paixão não tem conquista, e sim é algo espontâneo que nasce dentro de uma emoção. Não traz nenhuma estrutura.

Enquanto estiver a caça de aventura, não vai ter ninguém para sempre ao lado dela. Haverá momentos difíceis, que os dois terão que enfrentar, para que aquele amor não esteja baseado apenas na emoção.

Em todos os relacionamentos, quando existem as lutas e se comprometem a submeter-se, a respeitar e a se disciplinar, têm suas metas alcançadas: um casamento feliz.

Mas enquanto vivem do passado e das aventuras, vivem uma ilusão e se destroem.

O amor não tem nada a ver com novas emoções, e sim com a conquista. Somente através das lutas é que podemos aprender a submeter, a respeitar e até a policiar-nos .

E você amiga, vai julgar, avaliar e pesar qual é a finalidade do seu desejo? Já pensou aonde vai chegar com os seus ideais?

Não se deixe enganar, porque no início, quando tudo aquilo parecia ser o certo, acabou se tornando um grande problema para você.