De Filhos para Pais : (In) Dependência

Andreia Petrucci

  • 30
  • Set
  • 2014

De Filhos para Pais : (In) Dependência

  • 30
  • Set
  • 2014

Desde muito nova, por força das circunstâncias, tornei-me independente em praticamente todas as áreas da minha vida:

Cuidava da casa, estudava e, simultaneamente, logo que me foi possível, consegui um trabalho que ajudava nas minhas próprias despesas.

E como era algo que não estava adequado à minha idade, não me pertencia, isso foi gerando, ao longo da vida, uma “independência” excessiva, que estava capaz de tomar toda e qualquer decisão, concernente a todo o tipo de assuntos. E isto acaba por cansar, por criar “fardos” excessivos e acompanhar-nos, ao longo da vida, trazendo o “perigo” de desvirtuar os papéis, dentro de casa, com os pais, e até mais tarde, num casamento. Esta foi uma dificuldade que igualmente tive que ultrapassar.

Apesar da independência que geramos, ao longo da vida, ser positiva, para não dependermos de terceiros, esta também pode trazer-nos muitos problemas, quando não é equilibrada e nos torna demasiadamente autónomos, até de Deus.

Quando percebi que a minha “independência” já não servia as minhas necessidades – pelo contrário – rendi-me e percebi que ser dependente de Deus, torna-me independente no espírito.

Uma das coisas que mais me chamou a atenção no livro de Neemias, no qual estamos a meditar, foi a sua perfeita dependência de Deus, que o tornou livre interiormente, capacitando-o, de igual forma, para uma obra extraordinária:

“Tendo eu ouvido estas palavras, assentei-me, e chorei, e lamentei por alguns dias; e estive jejuando e orando perante o Deus dos céus.” (Ne.1:4)

A independência que aprendemos pela força das circunstâncias serve para experiência; as vezes que precisamos da ajuda de terceiros é passageira, mas a única dependência que nos torna fortes, persistentes e eternos, é a que desenvolvemos com Deus!

Por isso, filhos e pais, devemos aprender a lançar em Deus todos os nossos fardos, que de alguma forma nos marcaram e acompanham, e aprender a depender d’Ele em qualquer circunstância, pois a nossa própria força é limitada, ou já teríamos alcançado todas as respostas que precisamos.

Sabem do que me lembrei: Quando ficava perto do meu pai, atenta a ouvir os seus ensinamentos; foram estes que me deram alguns dos fundamentos de caráter que guardo até hoje. Era bom demais!

E quando me sento para ouvir os ensinamentos de Deus? Quando descanso na Sua Palavra? Que tranquilidade… que paz! Só Ele tem a capacidade de aliviar o peso total, daquilo que, muitas vezes, nos permitimos carregar.
O Seu jugo é suave e o Seu fardo é leve, porque não estão baseados em sentimentos e emoções, mas na fé! E a fé não faz sofrer, mas gera confiança e perseverança.

Um desafio: Vamos lançar todos os fardos aos pés de Jesus e depender somente d’Ele?