De Filhos para pais: Aprendendo nas dificuldades

Andreia Petrucci

  • 23
  • Dez
  • 2014

De Filhos para pais : Aprendendo nas dificuldades

  • 23
  • Dez
  • 2014

No artigo de hoje, vai ficar clara a forma como Deus permite que os Seus filhos desenvolvam, mesmo em meio a momentos difíceis. E como você, pai e mãe, deverá seguir o maior de todos os exemplos em termos de educação.



Muitas vezes cheguei a dizer para Deus: “Livra-me do deserto…” ou “Que eu não precise ir ao deserto para aprender…”. Sem dúvida, se eu permanecer sensível à voz de Deus e flexível para fazer a Sua vontade, livrar-me-ei de cair nos “desertos” provocados pela minha falta de obediência. Mas dos momentos difíceis, das dificuldades e das provações que todos aqueles que enfrentamos no decurso da vida, esses não são apenas necessários, mas imprescindíveis para o amadurecimento e apuramento do valor da nossa fé.

E Deus, como bom Pai que é, não apenas me permite passar pelos mesmos, mas sustenta-me a cada passo da caminhada, para me guardar, livrar e fortalecer. E porquê me permite Ele? Porque apenas no “calor do deserto” aprenderei a usar “armas” que me permitirão desenvolver mais na minha fé, amadurecer como pessoa e preparar-me para a grande jornada à minha frente. Se olharmos para os momentos mais difíceis como oportunidades, certamente encontramos forças e geramos condições, que em situações normais jamais descobriríamos; vamos ao limite da nossa entrega e potencializamos as nossas maiores qualidades.

No relacionamento entre pais e filhos, muitas vezes aquilo que falta é os pais perceberem que críticas e acusações não ajudam os filhos a amadurecer mais rápido ou a torná-los “certinhos”. Na verdade, o que muitas vezes é preciso, é estar por perto nos momentos mais difíceis, quando eles chegam da escola sem perceber a reação de um colega, ou enfrentam igualmente as suas batalhas interiores, resultado do seu crescimento, de se estarem a tornar adultos, mas com parca experiência na vida, que torna tudo mais difícil e “confuso”.

Mas esses momentos são inevitáveis, como um “deserto” que cada um de nós tem que atravessar para perceber que afinal a nossa constituição interior não é assim tão frágil, mas que realmente é o alicerce total da nossa estrutura.

Então pais, acompanhem os vossos filhos, estejam presentes nos momentos mais difíceis, mas não os impeçam de atravessar os próprios “desertos” ou tentem atravessá-los por eles… isso não existe! Cada um de nós deve ter o seu tempo e espaço para crescer, desenvolver, aprender, pois é isso que nos torna pessoas seguras e maduras, realmente preparadas para enfrentar este mundo tão difícil. De outra forma, os seus filhos vão estar despreparados para a realidade e dureza da vida, da qual ninguém está imune, independentemente de etnia, posição ou religião!